Planalto Beirão: Apresentação - Municípios Associados

Aguiar da Beira

Versão para impressão

Aguiar da BeiraAguiar da Beira recebeu foral em 1120.

Conserva monumentos muito antigos, dos quais se destaca uma curiosa trilogia, única em toda a Europa: A Fonte Ameada de construção árabe, a Torre do Relógio datada do séc. XV e o Pelourinho Manuelino.

Continuar...

Carregal do Sal

Versão para impressão

Carregal do SalO Concelho foi criado em 1836, em substituição do de Currelos que datava do começo do séc. XVI.
Pensa-se que o nome Carregal do Sal teve origem numa gramínea chamada Cárrega, ao qual se juntou a palavra sal, devido aos armazéns de sal que existiam no local.

Existem vários vestígios megalíticos na região, como a Anta da Lapa da Orca, em Fiais da Telha, que mantém intactos nove esteios que dão forma a uma câmara poligonal de mais de três metros de altura.

Continuar...

Castro de Aire

Versão para impressão

Castro de AireCastro Daire encontra-se edificado num morro a 588 m de altitude, na vertente meridional da Serra de Montemuro, sob a profunda e verdejante margem direita do Rio Paiva. O conjunto Vale-Planalto-Serra conferem-lhe uma paisagem de rara beleza.

Tem uma posição estratégica, porque está no ponto de passagem obrigatória entre o vale meridional do Rio Douro e do Rio Vouga.

Continuar...

Gouveia

Versão para impressão

GouveiaGouveia encontra-se entre 550 e 600m de altitude na zona ocidental da Serra da Estrela.

Recebeu foral em 1186 e a sua história está associada ao reinado de D. José I e do seu ministro, o Marquês de Pombal, quando em 1755, após o terramoto de Lisboa, D. José sofre um atentado pelos Marqueses de Gouveia.

Continuar...

Mangualde

Versão para impressão

MangualdeAssenta num airoso planalto, bastante fértil, a 545m de altitude, na margem esquerda do Rio Dão e na vertente da margem direita do Mondego.
Mangualde recebeu foral dos condes D. Henrique e Dª. Teresa, e foi vila desde 1218 a 1986, data em que passou a cidade.

A sua História remonta ao Período Neolítico, do qual é vestígio a Anta da Cunha Baixa, que data de 3250 a 2750 A.C. Por aqui passou uma das principais Vias Romanas da Lusitânia, que ligava Mérida (Emmerita Augusta) a Braga (Bracara Augusta). Ao longo do seu trajecto são visivéis os Marcos Milários (colunas que indicavam sa distâncias em milhas), a Árula (altar de pequenas dimensões dedicado ao Deus Júpiter) e as Aras (altares de grandes dimensões) de Casais, dedicada a divindades locais ou familiares, e a de Fresta, funerária.

Continuar...

Mortágua

Versão para impressão

MortáguaMortágua está situada numa pitoresca e fértil planície, a 90m de altitude.

Esta área foi no passado um grande lago, drenado pelos romanos no século I A.C..

É banhada por dois cursos de água que, unidos, formam o rio de Mortágua, um afluente do Rio Mondego e enquadra-se na mancha florestal do Buçaco e do Caramulo. Estas são características únicas do enorme potencial natural que é Mortágua, às quais se junta o maior lago artificial do país, a Aguieira.

Continuar...

Nelas

Versão para impressão

NelasNelas encontra-se situada defronte da Serra da Estrela a Noroeste da margem direita do Rio Mondego.

O actual concelho tem uma fundação recente. Em meados do Século XIX sucede ao de Senhorim, que recebeu foral em 1196. A sua área reúne pois os antigos concelhos de Senhorim, Canas de Senhorim, Folhadal, Aguieira e Vilar Seco.

Embora seja um concelho recente, vestígios apontam para um passado histórico que remonta ao Período Megalítico, nomeadamente a Orca de Pramelas e o Outeiro do Raque.

Continuar...

Oliveira de Frades

Versão para impressão

Oliveira de FradesO passado Histórico de Oliveira de Frades remonta ao período de 4500 a 3500 A.C. São vestígios destes tempos, a “Pedra da Arca”, a “Pedra da Escrita” e a “Pedra Pintada” com símbolos enigmáticos e figuras estilizadas.

Também os romanos deixaram os seus vestígios, como a estrada romana que pode ser visitada em Entreáguas ou em Postaneiros.

Continuar...

Oliveira do Hospital

Versão para impressão

Oliveira do HospitalA fundação de Oliveira do Hospital remonta ao ano de 1120, quando a Rainha D. Teresa doou esta terra aos monges Cavaleiros da Ordem dos Hospitalários de Jerusalém, vulgarmente conhecida por Ordem de Malta. Recebeu foral novo em 1514.

O símbolo da cidade é uma estátua equestre que representa um cavaleiro medieval, então senhor da terra, o Cavaleiro de Oliveira.
Na Igreja Matriz de origem romano-gótica (séc. XIII-XV), a Capela dos Ferreiros possui 2 túmulos com estátuas jazentes, sendo uma delas pertencente ao tal Cavaleiro da Oliveira.

Continuar...

Penalva do Castelo

Versão para impressão

Penalva do CasteloPenalva do Castelo encontra-se na margem direita do Rio Dão e na margem esquerda do Rio Coja, seu efluente. Aqui, houve outrora uma torre, ou castelo que vigiava a passagem do Rio Dão.

Recebeu foral em 1240.

Continuar...

Pág. 1 de 2

Navegação: Apresentação Municípios Associados